Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

subida


quantos degraus vais ter que subir?... contarás um por cada minuto do teu pensar, tão compansado e sem variar, não sabes quando acaba a tua subida , não pensas se terás que a descer, sobes sem saber onde chegar e, com passos mínimos e tímidos galgas cada saliência nessa tua vida de socalcos, degraus brancos que descoloras contínuamente, com o teu semblante acinzentado... sobes triste e despreocupado, não procuras a tua alegria ao caminhar, não sabes o que encontras ao chegar, no fim dessa subida já sabes que nada irás descobrir, nada diferente de nada... na loucura em que repetes as mesmas atitudes, os mesmos passos apertados, esperando resultados diferentes....já sabes com o que contas ao subir essa escadaria tão pálida, já contas com a certeza duma tristeza ao chegar...igual a essa, que transportas no teu fastidioso andar, sobes degrau a degrau com todo o tempo para gastar, porque do teu tempo já mais nada sabes fazer...para quê a preocupação em galgar esses degraus a correr? ...se nem esperança tens de os poder voltar a descer...para quê essa preocupação agora...? sobes com uma calma exaltada que te balança os braços e te descai os ombros ...sobes degrau a degrau , na loucura de esperar por qualquer diferença nesse teu repetido e louco subir...e sabes não querendo saber...que sempre será igual, que nada mudando ...nesse teu andar habitual..nada existe ao cimo dessa tua imensa escadaria... e sobes devagar já com medo de um dia, a teres de descer...
Se um dia conseguisses ...subir essa escada a correr..chegarias cansado e ofegante ...mas com a certeza do teu viver, porque te bateria o coração num compasso desconcertante e ofegado, sorririas confortado por uma sensação des semelhante.... mudarias o teu andar arrepiante e vazio... e então poderias esperar sorrisos ao chegar, é só uma questão de mudar ....

Teresa Maria Queiroz/Abril 2009
(foto retirada da net...)

publicado por ampulhetas1 às 22:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

não há cura...


por vergonha ..medo e tristeza, partes o coração em dois sem possibilidade de conserto...espalhas o vermelho líquido pelo cinzento que contrasta
vergonha de teres sido tu... vergonha de não conseguires deixar de te magoar.. magoando por defesa e dor, vergonha de tudo e de ti... vergonha, transformada num imenso medo de seres, desistes de qualquer coisa...por vergonha, desespero e medo não vives nem amas, e deixas que se te parta o coração recortado em dois...passando a um estado líquido que se entorna e escorrega sem nunca o conseguires reconstruir... deixas que se torne em papa....
depois duma radiografia recente , diagnosticaram uma doença grave no teu estado de amor , uma incapacidade de te perdoares a ti ... uma tristeza que te corrói as entranhas e que não sabes travar ..diagnóstico grave , com o risco de que o ódio, no qual deixaste tranformar esse doce coração, se espalhe e contamine tudo dentro de ti..assim tão rapidamente , assustado, vives dias de medo...vives o tempo entornado, não há cura para quando se deixa que o amor adoeça assim...não há cura ....simplesmente não há.
não há droga para curar ... nem tratamento paliativo.... não há volta a dar...
disse quem sabe ...que a cura está em não ter medo de amar outra vez....diz quem sabe que a cura está em perdoar os teus erros....diz quem sabe que quem ama nunca faz nada perfeito...diz quem sabe que só quem te ama te poderá aliviar...
não há cura...??


Teresa maria Queiroz/Abril 2009



(foto da net)


publicado por ampulhetas1 às 22:48
link do post | comentar | favorito
|

harmonioso caminho


E porquê preocupar-me agora em encontrar qualquer caminho direito, quando tudo pode ser uma alegre caminhada numa raposódia de traços, bolas e figuras imaginadas... para quê encontar um caminho definido se posso andar entre figuras só com a necessária atenção de nunca tropeçar, para quê tentar caminhar estática e envolta numa harmonia tão fastidiosa, se posso andar em labirintos de duma vida ,tão divertidos e fascinantes pelo inesperado do caminho que agora vislumbro e tanto me apeteçe seguir sem medo de seguir... se posso sentar-me confortávelmente numa enorme bola e jogar à "macaca" em quadradinhos bem desenhados...equilibrando-me para não cair, para não pisar os traços e perder, e segurando-me numa barra qualquer ...que nem imaginava que ali estava...não caio...
para quê definir caminhos... quando o caminho pode ter o encanto do indefenido e do imprevisível... do indefenível... do inimaginável...
para quê procurar uma monótona harmonia, quando harmoniosamente posso ir andando por um caminho desconhecido e encantado, que se harmoniza só no meu desejo...
não te procuro mais nesse teu falso e harmonioso caminho...

Teresa Maria Queiroz/Abril 2009

quadro: acrílico S/tela de Horácio Queiroz

publicado por ampulhetas1 às 22:47
link do post | comentar | favorito
|

caleioscópio



Como se fosse possível contar os cristais dum caleidoscópio sem me enganar...tento contar e lembrar os teus minutos misturados,e não consigo isolar esses minutos de momentos passados...
impossível descobrir onde estão todos , rebolam-se dentro do cilindro e misturam-se mudando imagens,assim tão de repente...por isso não me concentro num único minuto passado, rapidamente se envolvem em cores e mudam de posição quando menos espero...assustam-me esses teus minutos, assim são os teus minutos...assim foram todos os momentos...
porque os minutos de caleidoscópio não se deixam ver , são quase irreais tomam a forma que querem no momento que escolhem ...e mesmo tentando arrumar o pensamento nesses minutos confusos e já passados , esqueço-me do que mais quero lembrar e lembro-me do que penso precisar esquecer...confundem-me esses minutos passados fazendo já parte de mim,de nós... já não os conhecemos...já não vimos a sua verdadeira forma, rebolando-se e misturando-se na minha cabeça, conseguem emanar uma luz hipnotizante que não percebo mas admiro, contemplo viciadamente , não isolo os minutos misturados ...não consigo, trazem-me sempre aquelas imagem passadas e tão belas ... que sempre se confundem e me fazem sorrir, bincam comigo...enrecosdando os minutos neste caleidoscópio, constróiem estrelas tão breves ...vejo-te roxo, porque não há cor mais bela que roxo...lilás...ou violeta..., vejo-te assim,belo como uma estrela que se movimenta... com aquela cor que nunca ninguém sabe fazer...só Deus...dizem ...
se houver um Deus...

minutos roxos que me invadem o pensamento formando estrelas isoladas, a todo e qualquer momento, rodo a roda deste caleidoscópio...e espreito pelo buraco onde, ao fundo, encontro a imagem que me quer mostrar ...nunca sei quais os minutos que me vai deixar lembrar , e sabendo que é bonito e roxo o que vejo...hipnotizada
recordo-te roxo...


Teresa Maria Queiroz/Abril 2009



(imagem da net...)


publicado por ampulhetas1 às 22:46
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 6 seguidores

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. subida

. não há cura...

. harmonioso caminho

. caleioscópio

. rosto perdido

. desafinar sem querer

. se estou louca...são cois...

. morte lenta

. rabiscos de fùria...

. noiva de plástico

.arquivos

. Abril 2009

. Março 2009

.favoritos

. outro dos filmes....

. rever

. Um dia de trabalho...

. Foste feita para mim...

. AMOTE

. café

. Parece que o dono deste c...

. ENCONTRO A HISTÓRIA DEVID...

. AS COISAS QUE ESCAPAM

SAPO Blogs

.subscrever feeds